Alegria do Danielewicz

Alegria do Danielewicz

Alegria

Dados

 Sexo: Fêmea
 Nascimento: 31/10/2014
 Cor: cinza/branco
 Descendentes: 5
 HD: HD+ / C
 ED: Grau 0
 Observações
Olhos: limpos(2017)

 

Pedigree

Pais Avós Bisavós
Dagger del Ykpahia
Sinner del Ykpahia
ORPHEO DEL YKPAHIA
NADINE DEL YKPAHIA
Artemisa del Ykpahia
DICK DE CIUKCI
KUMBIA DEL YKPAHIA
Suraliam Pinch of Pixidust
PINCH ME I AM DREAMING OF NORDICA
WILD WILD WEST EXPLORER
I SEE YOU ICEFLOWER OF NORDICA
SURALIAM REHARNA AVEC ELMSALSURALIAM GANDALF THE GREY
SURALIAM ECHO DEALTA

Entre em contato

Descendentes

Safado

Safado

Macho
Gandaia

Gandaia

Fêmea
Guerreiro

Guerreiro

Macho

Novidades

Raça norueguesa será criada no Brasil


Em dezembro de 2017 chegou ao País o primeiro exemplar da raça Norsk Lundehund: uma fêmea chamada Tixa, hoje com 4 anos, trazida por Juliana Danielewicz. “Mesmo na América Latina sei apenas de um macho nas Ilhas Malvinas”, conta Juliana, que importou Tixa da Polônia. “Mas ela nasceu na Dinamarca, país vizinho da nação de origem da raça, a Noruega”.

                                                         

Juliana conheceu o Norsk Lundehund por meio de um livro sobre raças. Em seguida, em 2012, o viu pessoalmente na Exposição  Mundial na Áustria: foi amor à primeira vista. “O que mais me chamou atenção foi sua fantástica flexibilidade, o Norsk Lundehund consegue abrir os braços lateralmente como os gatos e encostar a cabeça no dorso facilmente, e o fato de ser uma das raças mais raras do mundo. Se os criadores não começarem a criá-la em escala maior, ela irá se extinguir e, assim, gostaria de contribuir de alguma forma”, finaliza Juliana, que pretende trazer um macho da Holanda, país com exemplares de grande qualidade. Mais informações: www.danielewicz.com.br


por Autor(a): Fabio Bense | Colaborador(es): Jornalismo TopCo | Cidade: Campinas | 03/01/2019 - 18:00





https://www.caes-e-cia.com.br/materias/ler-materia/641/cao-raro

Em dezembro de 2017 chegou ao País o primeiro exemplar da raça Norsk Lundehund: uma fêmea chamada Tixa, hoje com 4 anos, trazida por Juliana Danielewicz. “Mesmo na América Latina sei apenas de u... Saiba Mais